Alcoorexia em pauta

Beber para não comer e emagrecer. Essa é a receita quase sempre fatal da drunkorexia, transtorno alimentar que ganha visibilidade na novela Viver a Vida.

Renata, assim como muitas mulheres, tem vários sonhos. Quer ser modelo ou atriz. Também como algumas mulheres, ela sabe que ser magra virou um imperativo cultural numa sociedade que supervaloriza a imagem.

Renata compreende que o corpo sem excessos – sem gorduras, flacidez, estrias ou celulites – é o único que, mesmo sem roupas, está decentemente vestido. Renata, como quase todas as mulheres de sua idade, não quer engordar. Por isso ela bebe.

A partir desta semana o drama de Renata, personagem da atriz Bárbara Paz na novela Viver a Vida (TV Globo/TV Anhanguera), ganhará mais visibilidade. Com a personagem, o autor Manoel Carlos pretende alertar sobre o risco da drunkorexia (do inglês: drunk, que significa bêbado) ou anorexia alcoólica.

O termo não é científico, mas já circula pela internet e pelos consultórios médicos. Ainda pouco conhecido, o transtorno alimentar ocorre quando as doentes – a maioria é mulher na faixa entre 18 e 25 anos – bebem e deixam de comer para emagrecer.

Elas transformam a obsessão pela magreza em compulsão pela bebida, em especial os destilados que suprimem o apetite e, tomados em grande quantidade, dão uma sensação de saciedade e certo enjoo da comida.

O contrário também pode ocorrer: o alcoolista, em estado crônico, quase sempre desenvolve algum tipo de transtorno alimentar. No estômago vazio, sobretudo o feminino, uma mera lata de cerveja é capaz de provocar sinais de embriaguez.

Transtorno

Secretário do Departamento de Dependência Química da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), o psiquiatra Marco Antônio Bessa explica que a drunkorexia faz parte do grupo de doenças ligadas às desordens alimentares como a ortorexia (fixação por uma alimentação saudável), a bulimia (episódios de compulsão alimentar seguidos de comportamentos compensatórios como vômitos ou uso de laxantes) e a manorexia (anorexia em homens).

“Na verdade, a anorexia é um transtorno psiquiátrico conhecido há bastante tempo. O que tem se comentado mais recentemente é essa associação com o álcool. Alguns pacientes, em situação mais grave, buscam também a cocaína e anfetaminas”, explica.

As drogas para alguns anoréxicos, além de inibidores de apetite, servem como um alívio para a angústia e a ansiedade que o jejum provoca. “A anorexia em si já é uma doença bastante difícil de tratar.

Quando associada ao uso de drogas, essa dificuldade aumenta. Para quem sofre de anorexia alcoólica são maiores os riscos de hemorragias digestivas, problemas hepáticos e infecções em geral”, enumera o médico, que teve em seu consultório um caso recente de uma adolescente com drunkorexia.

No Brasil ainda não há estudos sobre o transtorno. Nos Estados Unidos, pesquisadores constataram que o uso de álcool entre pessoas com anorexia chega a ser maior do que entre pessoas saudáveis. As mulheres são as principais vítimas do transtorno. “Existe uma pressão social maior sobre o corpo feminino.

Os modelos de sucesso que as meninas têm na adolescência estão diretamente ligados à magreza. Acho que a novela presta um grande serviço ao alertar os pais sobre esse e outros transtornos. Acaba abrindo o diálogo”, defende a psicóloga Annelize Lisita, especialista em dependência química.

As desordens alimentares têm origem em comportamentos tolerados, glorificados e até mesmo reforçados pela sociedade. Na cultura das celebridades, o normal e até chique é ser magra, tomar muitos porres homéricos e, invariavelmente, acabar num centro de reabilitação.

A atriz Lindsay Lohan e a cantora Amy Winehouse são os melhores símbolos disso. Foi na última que Bárbara Paz foi buscar inspiração para compor sua personagem na novela.

“Nunca tinha ouvido falar da doença. Quando fui convidada para a novela, comecei a ler livros sobre anorexia e alcoolismo. Fui também em uma psicanalista e psiquiatra para entender melhor a doença e a reação dessas jovens – históricos, causas e efeitos”, explicou Bárbara, em entrevista por e-mail ao POPULAR.

Para ela, o drama de Renata vai servir de exemplo e estimular o debate. “Acho que a novela tem um grande dever social de alertar os jovens e as famílias de que isso, que pode ser só uma brincadeira de emagrecimento, pode ser tornar uma doença grave. Muito grave. Os efeitos que a ausência do alimento e o abuso do álcool provocam no organismo são seriíssimos.”

Aos 17 anos, então aspirante a modelo, Bárbara sofreu um acidente de carro. Numa festa encontrou-se com mais duas amigas, beberam muito e saíram de carro, que bateu numa pilastra de um prédio.

O vidro do carro entrou rasgando no rosto de Bárbara. As duas amigas desmaiaram instantaneamente. A única desperta, Bárbara saiu pelo vidro do veículo. Seu maxilar pendia, solto, no rosto. Os músculos faciais estavam dilacerados. A língua e o céu da boca, cortados. Com duas cicatrizes no rosto ela teve de deixar os planos de modelo de lado.

Fonte: Grifo Marketing

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *